Martin La Roche | Casa Nova Arte

© Divulgação

O tempo está a meu favor” – Martin La Roche

Há alguns eventos que desaparecem a partir da memória mas parecem repetir ou voltar depois de algum tempo de sua ocorrência. Como a memória de um tremor de terra que se torna menos vivas e volta apenas com a experiência de um forte novo movimento. O mesmo aconteceu com a exposição Civilização do Nordeste no Solar de União , em Salvador feita por Lina Bo Bardi em 1963. Depois de alguns meses ele foi proibido e forçado a ser esquecido. Alguns anos mais tarde, esta coleção foi encontrado aberta novamente e desdobrou-se em novas formas.

Como é que vamos organizar e esboçar nossas memórias?
Para esta exposição Martin La Roche tomou como ponto de partida uma frase do caderno de anotações do Hélio Oiticica (que parece ter sido tirada de uma música dos Rolling Stones) para desdobrar uma série de desenhos e objetos no espaço que refletir sobre a maneira em que nós arquivamos as nossas experiências.

Martin La Roche, 1988. Santiago do Chile. Vive e trabalha em Amsterdam/ Exposições Individuais: 2015 una piedra es una piedra es una piedra, Palacio Molina, La Mar de Música Festival, Cartagena, Espanha. 2015 Naturalmind, Het Kabinet / CIAP, Hasselt, Belgica. / 2013 Jardín Interior Seco, MAVI (Museum of Visual Arts) Santiago, Chile. / 2012 Apuntes para un Brainwalking, Animal Gallery, Santiago, Chile. / 2011 Plan G, Galería Temporal, Santiago, Chile. Exposições Coletivas: 2016 Two Active Architectures for Researching, Punto Croce,
Veneza, Italia. / “Against a conspiracy of invisibilities”, Sobering Gallery, Paris, França. / In Progress – Another Reality. After Lina Bo Bardi, Stroom, Den Haag, Holanda. 2015 *OARZO, FLATSTATION, Amsterdam / Spell to Spelling ** Spelling to Spell, De Appel, Amsterdam/ A day in the life of Thomas, Stedelijk Museum, Amsterdam / *Open Studios, Jan Van Eyck Academie, Maastricht. Holanda

Compartilhar: