Mariana Vilela | Alpharrabio

© Divulgação

Mariana Vilela apresenta a performance (a)massa crítica, no espaço da Alpharrabio. A ação, com curadoria de Cristina Suzuki, parte do projeto Arte Contemporânea para o Alpharrabio, concentra-se na massa que amassa, que assa, que vira alimento, a massa que provoca e que agrega; 5kg de massa e uma leitura compõe o viés condutor e essencial para confeccionar ‘o pão’.

Misturar, sovar, amassar, descansar, assar e comer a massa que transformou-se em pão. Mariana apresenta a performance em diálogo com o espaço e a ação começa apenas quando o expectador escolher um dos livros disponíveis, ler para a artista – e consequentemente para todos os que estiverem participando. O local da ação não se passa apenas na mesa onde o pão será feito, e sim em toda a área expositiva. O expectador-leitor torna-se ativo na performance, sua narrativa provoca reações na artista, que manipula a massa de forma diferente a cada variação na leitura.

Mariana Vilela usa como inspiração e base conceitual deste trabalho o pensamento sobre afetos e afecções do filósofo Spinoza. “Levar a ‘cozinha’ para o espaço expositivo e fazer um pão, impreterivelmente com a ajuda dos expectadores, é transfigurar o lugar comum. Muito me interessa ações comuns, cotidianas e ordinárias, mas essenciais para o estabelecimento das relações. Por traz do ato de fazer o pão há relações afetivas, por traz da produção de massa crítica há relações afetivas. O outro é imprescindível para realização dos dois processos, do início ao fim”, conceitua a artista.

Nesta performance, Mariana optou por cores neutras como o branco, preto e madeira. Branco nas paredes para criar respiros e espaços vazios, o preto da sua vestimenta para ser “tingida” pela farinha branca e a madeira rústica para tonalizar com o ambiente, desta forma, potencializando a “rudeza” do fazer um pão.

O processo de criação da artista não é nada convencional, ela não tem ateliê, apenas uma mesa onde deixa espalhados textos, imagens, livros que a inspiram e papéis com anotações e diagramas que faz, colados próximo à mesa. “O meu processo criativo não é nada cartesiano ou linear, não estipulo um espaço/tempo para a criação, ele se dá (acontece) no entre, na brecha dos afazeres domésticos, na lida com as crianças e concomitante a outras criações, que vem do teatro e da escrita, minhas outras frentes de trabalho”, diz.

(a)massa crítica será realizada em duas datas adiconais – 17/9 e 15/10 às 10h – e entre estas datas estarão expostos os objetos utilizados na feitura do pão, a vestimenta e um vídeo com o registro. A performance é um desdobramento de Banquete… uma conversa sobre o Amor, realizada em 2011 quando a artista participava do Coletivo Ambulante. Na ação, fizeram o pão na calçada da rua Marechal Deodoro, em São Bernardo e numa calçada no centro de Belo Horizonte. “A performance é uma linguagem propriamente contemporânea, é ela a responsável por romper não só com os aspectos formais das artes, como ampliar seu sentido. Realizar uma Ação é colocar os corpos em situação limite, desafiadora e de risco. O corpo físico, o Corpo plástico, o Corpo sensível-intuitivo, o Corpo emocional, o Corpo lúdico, o Corpo intelectual e o Corpo espiritual”, finaliza Mariana Vilela.

O Projeto Arte Contemporânea para o Alpharrabio foi contemplado pelo Programa de Ação Cultural (ProAc), da Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo, que promove a ampliação e a diversificação da produção artística por meio de ICMS e editais. A série contempla três exposições.

As informações contidas na agenda são de responsabilidade dos museus e galerias e não representam a opinião da Dasartes.

Compartilhar: