Marciah Rommes | Espaço Cultural Correios Niterói

Com curadoria de Lia do Rio, a exposição “Vestígios” reúne mais de 3 mil peças formadas por uma massa criada a partir da mistura de material, tema de pesquisa da artista desde 2011. Em quatro grandes salas, objetos de 15 cm a 2 m, de formas e texturas inusitadas, sobem pelas paredes, avançam sobre o chão e distribuem-se em estelas, como vestígios de uma linguagem ancestral, remetendo a outro tipo de raciocínio.

Sem priorizar ângulos, raios ou diagonais, as formas abstratas criadas pela artista são pautadas em vestígios de civilizações históricas e suas memórias, representadas por símbolos, códigos, materiais e objetos. “Desenvolvi um tipo de massa que se tornou matéria prima para a criação de peças de diferentes formas, que parecem surgir como registros de memórias e narrativas poéticas”, conta a artista. Em diálogo com o espaço dos Correios, a exposição reflete sobre memória, tempo e a forma como as mensagens, as narrativas e as histórias são distribuídas e vivenciadas culturalmente pelas sociedades.

Dispostas no espaço como uma escrita arquitetônica, os fragmentos de massa em tons de negro, dourado, acobreado ou estanho convidam a uma nova forma de leitura, aludindo a significados profundos. Segundo a curadora, os elementos parecem revelar codificações de memórias, de resíduos de conhecimento. “O trabalho de Marciah Rommes remete a questões do ser humano naquilo que o move dentro do seu psiquê e se encontra sedimentado pelo tempo vivido. A organização narrativa nos deixa uma vaga impressão de reminiscência. É como se pudéssemos entrar no espaço tempo de nossa mente”, conclui Lia do Rio.

Compartilhar: