Manifesto Tramas das Artes | By Kamy Maison

“A arte pode ser qualquer coisa desde que o artista diga que sim.”. Icônica frase de Marcel Duchamp, artista francês tido como o mestre da ideia de ready made como objeto de arte, transportando com audácia elementos da vida cotidiana para o universo desbravador das artes. E desse intercâmbio de ideias surgiu a exposição coletiva Manifesto Tramas das Artes, promovida com muita expertise e alma avant-garde pela By Kamy para a 7ª edição do Design Weekend (DW!), de 27/08 a 15/09, em São Paulo.

Sob a curadoria da psicóloga e escritora carioca Daniella Bauer, que reuniu peças de artistas consacré como Niobe Xandó, Gilvan Samico, Di Cavalcanti e Tarsila do Amaral, transportadas para tapeçarias e arazzos de artistas contemporâneos como Luisa Editore, Mónica Millán e Nicole Tomazi, que desenvolveram trabalhos exclusivos para o mesmo suporte, em um contexto híbrido totalmente novo. A exposição, que promove a transição entre o design têxtil e a arte contemporânea, mostra um novo ideal sobre a arte em uma sociedade volante e volúvel.
Movida pela pergunta que não quer calar, o que é arte? Daniella mergulhou com maestria no universo único e particular de produções artísticas e em seu mercado esférico para trazer à tona essa resposta. “A arte é uma maneira de traduzir e manifestar o que compreendemos ou não, o que enxergamos, sentimos, tocamos, cheiramos, escutamos ou intuímos o que nos revolta, o que nos cala, o que precisa ser dito. Ela é acima de tudo um modo de quebrar paradigmas e estabelecer o novo.”, expressa a curadora.
De acordo com Daniella, seria purismo crer que a arte possa simplesmente ser, pois nada é desprovido de significado. “Aquilo que é aparente está em constante transformação, portanto cabe aos artistas atribuírem significados, materializar a ideia, dar corpo ao que é etéreo. O mundo contemporâneo exige uma transfiguração constante e uma capacidade adaptativa inesgotável. Em consonância a isso, a By Kamy tenciona, unindo as duas artes, estabelecer um novo modelo que a princípio pode causar desconforto, mas indubitavelmente trará mudanças em acordo com o tempo atual.”, explica Daniella.

O manifesto

Como no Manifesto Antropofágico escrito por Oswald de Andrade, que foi peça fundamental para a primeira fase modernista no Brasil, a ideia era reforçar a ruptura das produções artísticas do período, que chocaram por fugir completamente da estética europeia tradicional que até então influenciava os artistas brasileiros.
Encabeçado por ícones como Di Cavalcanti e Tarsila do Amaral, que já era considerada um dos grandes pilares do modernismo brasileiro, a Semana de 22, defendia o novo e uma nova escola artística.
A frente de seu tempo, em 2017, a By Kamy fez sua primeira parceria para a realização de obras selecionadas de Tarsila em tapeçarias inéditas da mais alta qualidade.
Dando prosseguimento a esse trabalho, a mostra “Manifesto Tramas das Artes” propõe duas parcerias: a primeira dará prosseguimento a fértil união com as obras de artistas falecidos e consagrados, que serão produzidas com o rigor técnico e cuidados necessários para manter a fidedignidade dos originais. A segunda parte dessa exposição será inovadora, um pequeno grupo de artistas contemporâneos com o propósito de produzir obras inéditas no suporte tapeçaria e arazzo.
Devido à maturidade poética e de vanguarda do grupo e da By Kamy, será possível mergulhar nesse universo de impressões, que guarde vestígios de presença, com os vazios marcados pelo papel, preenchidos na tecitura dos fios tramados.

Tecitura e história

Kamyar Abrarpour, CEO da By Kamy, trabalha há mais de 40 anos com o comércio de tapetes. De origem iraniana, continuou seguindo a tradição de sua família: apaixonado pelo universo da arte têxtil e do trabalho manual, Kamy aplica hoje em sua empresa, além de toda a sabedoria desenvolvida ao longo das gerações com os negócios de sua família, também o “know-how” que detém sobre gestão empresarial e finanças.
Consolidada como a principal grife de tapetes do país, por meio de um trabalho sólido, destinado às pesquisas de novas técnicas, materiais, ideias, cores e texturas, a By Kamy apresenta consistência do começo ao fim, perpassando por todas as etapas do processo, desde a criação, pesquisas de materiais e fontes, confecção, comunicação, estratégia de venda, serviços até chegar ao consumidor final.
By Kamy não se limita apenas a uma loja física, mas consiste em abarcar todos os pontos, tanto pela estrutura fabril, de ateliê, galpão, estoque, quanto aos departamentos de gestão empresarial, financeira e internamente com o setor próprio de marketing. A marca estabeleceu-se como referência não somente para o mercado de tapetes, mas para uma vertente geral especializada em arte, decoração e tendências no Brasil. O seu foco atual, e já em andamento, encontra-se na busca por ampliar horizontes mundo a fora!
Um produto como o tapete normalmente se limita à beleza da composição, porém, para a marca existe a necessidade de ir além: mostrar o que está por trás de suas linhas e estampas, como técnicas e conhecimentos que envolvem habilidade, intuição e sensibilidade, conectando design e criação. A qualidade e originalidade das peças endossam a dedicação dos empresários Kamyar Abrarpour e Francesca Alzati, Diretora Criativa, à frente de todos os processos. Cada produto possui a alma da empresa e sua filosofia de vida. “Podemos observar mudanças em todos os lugares do mundo, especialmente em relação à originalidade das criações. O mercado desafia o novo, o diferente. Essa é a alma do design”, explica Francesca.
O processo de criação das peças permite a incorporação de elementos abstratos inspirados no contemporâneo, na individualidade, no expressionismo e na vanguarda. Assim como admite a influência global em um senso coletivo representado em seus produtos. A marca By Kamy produz mundo a fora! A procura por hábeis tecelões, o respeito pelo trabalho manual e conhecimento de técnicas milenares espalhadas pelos continentes é o que encanta Francesca: “o mundo é a nossa fábrica”.

 

Compartilhar: