Macaparana | Dan Galeria

© Divulgação

Criador de uma obra que une o rigor geométrico e a informalidade da abstração, a liberdade criativa com a precisão dos traços, a formalidade e a musicalidade, compondo uma geometria sensível, Macaparana (José de Souza Oliveira Filho) abre, a partir de 11 de junho, na Dan Galeria, uma individual que reúne cerca de 25 trabalhos inéditos criados entre 2012 e 2016.

As obras criadas e selecionadas para a exposição compõem uma série de trabalhos em aço inoxidável, papel e madeira. “A arte geométrica, no Brasil, realizou uma revolução que deixou de fazer pintura e passou a inventar com as cores e as formas geométricas um universo outro, uma geometria outra de que a arte de Macaparana é exemplo notável”, afirma Ferreira Gullar, que assina o texto crítico do catálogo da exposição.

A abertura da exposição virá acompanhada do lançamento do livro Macaparana, que será lançado em novembro, em Nova York.

Vida e obra
Nascido em 1952, Macaparana tem uma das trajetórias mais notáveis da arte brasileira da segunda metade do século 20. Autoditada, aprendeu a desenhar e a pintar em lápis e papel, num período de convalescença durante a infância, e expôs, pela primeira vez, aos 18 anos, em Recife, na galeria da Empresa de Turismo de Pernambuco (Empetur).

Em 1971, o artista realiza sua primeira individual no Rio de Janeiro, onde passa a viver, na galeria Velha Mansão. Na capital fluminense, Macaparana passa a conviver com os maiores nomes do neoconcretismo, como Lygia Clark (1920-1988), Lygia Pape (1927-2004), Amilcar de Castro (1920-2002) e o poeta e crítico de arte Ferreira Gullar, que se tornaria um dos maiores admiradores e divulgadores de sua obra.

A mudança para São Paulo, dois anos depois, representa um novo ponto de virada em sua trajetória, que entra em ascensão definitiva, e em sua obra, com o abandono da pintura figurativa e a imposição da figura geométrica sobre o todo da obra, tornando-se sua essência. Nisso, o artista cita como uma de suas principais influências a obra do artista uruguaio Joaquín Torres-García (1874-1949), cuja obra, segundo ele, remete à sua infância. “Aquela geometria, as cores do Torres-García são as mesmas das casas que eu via na minha infância.

No final da década, em 1979, o artista realiza sua primeira individual no Museu de Arte de São Paulo (MASP).

A influência de Torres-García aparece em forma de homenagem na exposição realizada em 1983 na galeria Mônica Filgueiras de Almeida, reunindo guaches e pastéis secos sobre papel Fabriano que homenageavam o uruguaio.

Na abertura da mostra, o artista se encontra, pela primeira vez, com Willys de Castro (1926-1988). A partir desse momento, Willys se torna seu amigo, mestre e referência intelectual.

Em 1991, o artista vive, simultaneamente, dois grandes momentos de sua carreira, ao participar da 21ª Bienal de São Paulo com um conjunto de quinze obras – treze realizadas com pigmentos e resina acrílica em madeira sobre tela e duas esculturas – e receber uma nova individual no MASP, reunindo uma série de obras de formato vertical, realizadas com madeira reciclada e proveniente de demolições, além de outros trabalhos com uma geometria mais formal.

Em 1994, a Pinacoteca do estado de São Paulo apresenta, de 30 de abril a 29 de maio, Macaparana, uma retrospectiva que inclui uma seleção de obras realizadas entre 1987 e 1994.

O artista expõe, em 2009, pela primeira vez em Madrid, na galeria Cayón. Em 2010, expõe na galeria Jorge Mara, em Buenos Aires, e, no ano seguinte, volta à Europa, expondo, pela primeira vez em Paris, na galeria Denise René, onde volta a expor no começo deste ano.

No ano passado, a música, sempre uma influência em sua obra, esteve na exposição Música, na galeria Jorge Mara, Buenos Aires. Em colaboração com a Dan Galeria, é publicado um catálogo com imagens das obras expostas e textos de Pablo Gianera, incluindo ainda um cd com várias composições musicais, entre elas a Suíte Macaparana, interpretada pelo Trio Luminar, composto por Patrícia da Dalt (flauta), Marcela Magin (viola) e Lucrecia Jansa (harpa).

AS INFORMAÇÕES DA AGENDA SÃO DE RESPONSABILIDADE DOS MUSEUS E GALERIAS DE ARTE E NÃO REPRESENTAM A OPINIÃO DA DASARTES.

As informações contidas na agenda são de responsabilidade dos museus e galerias e não representam a opinião da Dasartes.

Compartilhar: