Luiz Aquila | Museu Nacional de Belas Artes

Segundo o poema de João Cabral de Melo Neto, “Quadro nenhum está acabado/ disse certo pintor;/ se pode sem fim continuá-lo,/ primeiro, ao além do quadro/ que, feito a partir de tal forma,/ tem na tela, oculta, uma porta/ que dá a um corredor/ que leva a outra e a muitas outras”. “A lição de pintura” traduz a essência da exposição “LUIZ AQUILA III MILÊNIO – criação em aberto”, onde o artista apresenta obras inéditas realizadas entre 2009 e 2019, a partir 31 de agosto, no Museu Nacional de Belas Artes.

Ao todo, serão expostas 30 pinturas, que contam com a liberdade criativa do artista para articular cores e contrastes, através de planos e pinceladas presentes e expressivas com dimensões que vão de 70x90cm até 210x140cm.

“Luiz Aquila pertence a uma geração de artistas com sólida e erudita formação. Disciplinado e meticuloso, desenvolve na intimidade de seu ateliê as suas obras, a partir de intensa pesquisa de materiais e suportes. Diariamente, num exercício incansável de amor e troca, tensão e conflito entre criador e criatura, transita entre telas, cavaletes, pincéis, desenhos, rabiscos e superposições cromáticas, quando a sua mão, em gestos cadentes e poéticos, proporciona, uma obra mágica, uma obra única, fruto da inquietação de um pintor maior”, afirma Monica Xexéo, diretora do Museu Nacional de Belas Artes.

Trechos de textos críticos e estudiosos, como Casimiro Xavier de Mendonça, Felipe Chaimovich, Lauro Cavalcanti, Lelia Coelho Frota, Luiza Interlenghi, Marcus Lontra, Mario Barata, Vanda Klabin, Vera Pedrosa e Wilson Coutinho compõem o espaço expositivo da Sala Bernardelli, ajudando o visitante a conhecer a trajetória do artista. Um exemplo é a frase do crítico e historiador Frederico Morais que elucida, em parte, a escolha do nome da mostra: Aquila procura manter seu processo de criação em aberto, sujeito a alterações, o quadro fluente, em andamento. O quadro vai nascendo ali, no corpo-a-corpo com a matéria com que constrói sua pintura, num diálogo ativo e inteligente”.

Uma das paredes foi reservada para a exibição do filme-documentário “Aquila, Luiz”, dirigido por Luiz Carlos Lacerda. “Acredito que todo cineasta deve ter o cuidado de procurar nas Artes Plásticas referências de luz e enquadramento. Minha admiração pelo trabalho do Aquila vem de muito tempo, nos conhecemos há vários anos. Devo bastante ao resultado da fotografia e do movimento de câmera, que acompanha o ritmo das suas pinceladas, ao diretor de fotografia Alisson Prodlik”, diz Luiz Carlos.

“O que mais me chamou atenção durante as filmagens foi o extremo compromisso com a liberdade de criação. É uma relação impulsiva, ele entra num transe e fica obnubilado pela expressão”, complementa.

Durante a exposição, até o dia 1º de dezembro, haverá uma programação variada de atividades, que prevê visitas comentadas pelo artista e palestras com alguns convidados especiais.

Desdobramentos de quadros e pintura-instalação composta por sete grandes telas se destacam

Certa vez, o curador Lauro Cavalcanti afirmou que a produção de Aquila seria uma pintura “em permanente construção”. Um dos destaques da mostra, a série de quatro telas “Mergulhos no Azul”, confirma esta fala, onde a cor é usada como assunto e a partir dela ocorrem improvisos cromáticos.

Impactante, a composição de sete telas originadas da pintura-instalação do MAM-SP, em 2013, está sendo exibida no Rio pela primeira vez. As pinturas dinâmicas e gráficas medem 210x140cm cada uma, e ganham uma dimensão monumental capaz de transportar o espectador para dentro da atmosfera do artista, que aqui utilizou técnica mista de acrílica e eventual uso de colagens.

Compartilhar: