Júnia Azevedo | Midrash Centro Cultural

Quinta-feira, dia 14 de novembro, é o encerramento de Obsceno, exposição de arte de Júnia Azevedo, com curadoria de Lia do Rio, no Midrash Centro Cultural. O trabalho é um desdobramento do romance “O Ser-se”, lançado por Júnia em 2014, pela Editora Circuito. Obsceno é uma amostra de um trabalho artístico que Júnia vem desenvolvendo a partir da intervenção em bonecas do tipo Barbie, numa reflexão sobre o imaginário feminino.

“Júnia nos transporta a um universo onde o lúdico e a ficção se fundem, permeados de símbolos e lembranças de infância. Essa viagem a um interior obscuro revela imagens vagas e imprecisas. Encontramo-nos numa espécie de Second Life, onde as figuras não representam e sim significam, e num mundo humano no qual o sofrimento é tema recorrente”, explica Lia do Rio.

Aberta em 22 de novembro, a mostra convida a refletir sobre o que é obsceno na sociedade atual. Na inauguração, uma roda de conversa sobre o tema reuniu representantes das artes visuais, literatura, jornalistas, psicanalistas e comunicólogos. Entre os participantes estavam Nilton Bonder (rabino e filósofo), Nádia Rebouças (especialista em comunicação), Guilherme Gutman (psicanalista e curador), Mano Melo (poeta), Fabio Szwarcwald (diretor do Parque Lage), Lia do Rio (curadora), entre outros. A exposição fica em cartaz até 14 de dezembro.

 

Compartilhar: