Júnia Azevedo | Espaço Cultural Correios Niterói

Por que a representação do feminino está associada à fragilidade e delicadeza? Como se constroem esses estereótipos no indivíduo? Que mensagens passamos à criança ao entregar em suas mãos uma boneca Barbie ou um tanque de guerra? Como teria sido a criação de Hipólita, a mítica rainha amazona, lendária por sua força e valentia nas guerras da antiguidade grega? Essas são algumas das questões propostas por Júnia Azevedo na exposição individual “Quarto de Hipólita”, que entra em cartaz no Espaço Cultural Correios Niterói. A mostra tem curadoria de Lia do Rio.

Na exposição, bonecas do tipo Barbie modificadas enfrentam situações dramáticas, duras e cruéis, bem longe do mundo de fantasia proposto pela indústria de consumo. Serão exibidas cerca de 30 obras, entre objetos, fotos e vídeo, que refletem sobre beleza, moda, comportamento, consumismo etc., convidando a um “desprincesamento” da menina. “Não se trata de uma proposta de brinquedos para as crianças, mas de uma reflexão sobre a construção do imaginário feminino por meio das brincadeiras infantis”, explica ela.

“Júnia nos transporta a um universo onde o lúdico e a ficção se fundem, permeados de símbolos e lembranças de infância. As bonecas nos convidam a entrar num estranho jogo entre o real e o imaginário”, conta Lia do Rio. O trabalho artístico é um desdobramento do livro O Ser-se, lançado por Júnia em 2014. O romance aborda a reconstrução da identidade de uma mulher impulsionada pelo processo de psicanálise após uma crise existencial. As reflexões do livro ganharam corpo por meio da intervenção em bonecas e, desde 2015, elas vêm sendo registradas pelo fotógrafo Diogo Calil.

 

Compartilhar: