Isabel Marroni | Casa Musgo

Depois de 10 anos a artista Porto-Alegrense Isabel Marroni volta a se apresentar com a exposição Profundos In-Visíveis, na Casa Musgo dia 06 de novembro. Isabel foi aluna do Atelier Livre nos anos 80 e 90 como também, integrante do Coletivo Atelier 6 e Enartes, participando de exposições nacionais e internacionais. Ministrou aulas de pintura e desenho por 17 anos em seu atelier em Porto Alegre.

Dedicou-se nos últimos anos ao Design de Interiores, trazendo à Porto Alegre importantes empreendimentos como o Dhomba Art&Pub e o Porto Retrô Flat Boutique, com temáticas exclusivas e conceituais. Neste último ano, retornou à pintura desenvolvendo esta série que fala de seu mergulho na paisagem expressionista revelando um novo período em seu trabalho.

O universo da série fala do transpessoal, retomando a imersão no conceito de si mesmo, traçando o agudo, extenso e visceral processo de consciência do existir. É um mergulho na expressão gestual e na emoção, no que é representativo, no intrínseco e desmedido, na energia criativa profunda, porém, tangível. Aparece em linhas neurais dos seres e da natureza, nas cores do comportamento, na profundidade dos sentimentos como o da tristeza, do sono, do olhar, das feridas, dos pensamentos e do amor. Estabelece parâmetros entre o raso, o superficial e o âmago; assim como as beiras, as linhas extremas, os horizontes divisores da vida. Rasga o silêncio das profundezas com cenas intensas, bucólicas, imagináveis, às vezes efêmeras. São paraísos da mente que brotam como mérito das suas infinidades.

“A obra de arte não é o reflexo de um real recortado previamente a toda intervenção humana, não constitui um sinal de uma realidade localizável por outras vias e exprimível por outras técnicas, não remete a um universo de formas imutáveis, mas dá início a um processo “de representação dialética entre o percebido, o real, e o imaginário. Ela não remete a um absoluto, mas aos devires humanos” (Pierre Francastel).

Compartilhar: