Gustavo Assarian | Espaço Cultural Albano Hartz

A Galeria Ecarta, um dos cinco projetos da Fundação Ecarta, promove a itinerância da exposição Os infortúnios nos são úteis, de Gustavo Assarian, com curadoria do paulista Gilberto Habib de Oliveira, no Espaço Cultural Albano Hartz, em Novo Hamburgo (RS).

A mostra é composta de 15 desenhos recentes e inéditos, produzidos nos últimos três anos, com uso mínimo de cor e espaços em branco. De acordo com o curador, os desenhos de Assarian provocam uma avalanche de associações pelos vínculos figurativos com a história da arte. “A mimese realista e o preciosismo das linhas são potenciais no trabalho do artista. Entretanto, eles nos instigam a compreender outro elemento: a inserção abstrata de um grafismo negro que transversaliza os personagens do artista como espécie de “navalha”, reflete.

Os infortúnios nos são úteis são estruturas de um discurso sintáxico, ou seja, desenho, repetição, uso mínimo de cor e espaços brancos; e semântico com muitos vazios e silêncios, inquietações e estranhamentos. “Trabalho exclusivamente em cima de situações que considero de crise e como elementos de tensão”, constata Assarian. Por isso as obras são permeadas de estruturas duras, frias e pontiagudas para sinalizar adversidades que atravessam, cortam e ferem o desenho, além de apontar vulnerabilidade à dor, mistério e alerta.

Simbolicamente, os elementos pontiagudos nas figuras desenhadas por Assarian estão muito próximos das espadas cravadas no coração de Nossa Senhora das Dores, do mestre barroco Aleijadinho, um dos exemplos da arte brasileira. Por outro lado, o inquietante estranhamento da estrutura negra, um tanto fleumática e imperativa, é tão insólito quanto o monolito de Stanley Kubrick no filme 2001 – uma Odisseia no Espaço.

Compartilhar: