Grupo EmpreZa | Fundação Marcos Amaro

Do corpo humanista de David ao corpo trágico da última Pietà, representantes do Renascentismo como Michelangelo e Leonardo Da Vinci aprofundaram estudos anatômicos e os aplicaram em suas obras. Partindo da representação física e carnal, os artistas do Grupo EmpreZa (GE) trazem em suas performances uma poética para além do corpo como elemento estético, mas, também, como fonte de desejos e claustro de prazeres e dores. 

Durante o mês de julho, o coletivo ocupa os Ateliês daFábrica de Artes Marcos Amaro em residência artística, convidando o público a participar das atividades investigativas e experimentais que cercam suas performances. A estreia acontece no sábado, 6, com apresentações também nos dias 7, 13, 20 e 27, no museu FAMA, em Itu. 

A ocupação se inicia com a apresentação de Candango (2010), termo utilizado para dar nome aos imigrantes nordestinos que construíram Brasília. Os artistas utilizam concreto na construção de um palanque de alvenaria que transforma o corpo em uma espécie de escultura, fazendo referência a figuras públicas. Em um segundo momento, em um gesto dramático, o bloco é destruído. 

As atividades que compreendem o dia a dia dos artistas no espaço expositivo recebem o nome de Laboratório Permanente de Criação e são voltadas para a experimentação e a elaboração das performances que compõem os Serões Performáticos, termo criado pelo EmpreZa. Apropriando-se da palavra “serão”, as apresentações são realizadas fora do horário do expediente e podem se estender até a manhã seguinte, um movimento típico do trabalho corporativo. Todo processo de body storm é aberto para acompanhamento do público como componente da exposição, tanto em momentos de discussão, como de apresentação. 

Em uma extensão do projeto, o coletivo se apropria das salas 6 e 7 da FAMA com uma exposição fotográfica. Nela, será apresentado um recorte de trabalhos com o corpo em situações de embate. 

Como encontros na arte são grandes mecanismos de criação e descobertas, o grupo recria o Cabaré Voltaire, festa que surgiu em 2002, em Goiânia, baseada no Cabaret Voltaire de Zurique. Nela, são discutidas questões sobre o corpo e a reverberação do dadaísmo. A proposta do encontro é mostrar uma reflexão, envolvendo artistas e realizadores de diferentes segmentos como artes visuais, música, cinema e dança. 

Para marcar a abertura do Parque Escultórico Linear, primeira galeria a céu aberto em Itu, as secretarias municipais de Esporte e Cultura promovem uma caminhada coletiva, a Caminharte, que, em um percurso de 5km, levará os participantes para conhecer as esculturas ao longo da Avenida Galileu Bicudo. Durante esta edição da Caminharte, o público será convidado a acompanhar a primeira parte de Candango (2010). 

Compartilhar: