Flávio de Carvalho e Amadeo Lorenzato | Sotheby’s S/2 London

A galeria londrina Sotheby’s S|2 recebe a partir do dia 12 de abril, duas mostras individuais que reverenciam a obra dos brasileiros Flávio de Carvalho e Amadeo Luciano Lorenzato. As exposições contam com o apoio da galeria Leme/AD, responsável pela captação e organização dos trabalhos selecionados.

Com co-curadoria da escritora e editora Kiki Mazzucchelli, a mostra de Flávio de Carvalho acontece na Gallery One do espaço, reunindo 42 pinturas e desenhos marcantes do artista multidisciplinar. “Carvalho foi um arquiteto visionário, artista, intérprete, diretor de teatro, designer, promotor cultural e escritor, cuja imensa contribuição para as vanguardas do século XX continua sendo pouco apreciada. Com esta exposição, esperamos começar a lançar alguma luz sobre a complexidade e a relevância continuada de seu trabalho hoje”, comenta Kiki.

Esta será a primeira mostra do artista brasileiro em solo inglês. Reconhecido pelas investigações na arte performática, Carvalho usou seus muitos talentos e formas excêntricas e irreverentes de expressão para chocar a burguesia. Inovou ao adotar novas mídias, destacando-se por seu teatro e performances artísticas, abrindo ainda caminho para os novos procedimentos artísticos que se desenvolveram no Brasil a partir dos anos 1960. Como pintor, foi aclamado não apenas no Brasil, mas também na Europa Ocidental, na União Soviética e nos Estados Unidos.

Em cartaz simultaneamente, na Gallery Two da Sotheby’s S|2, uma individual com 24 pinturas do brasileiro Luciano Amadeo Lorenzato. Autodidata, o artista é autor de uma obra repleta de pinturas ricamente texturizadas e intimistas, que retratam a vida cotidiana. Relativamente desconhecido fora de sua cidade natal, Belo Horizonte, Lorenzato tem hoje sua obra tardiamente reavaliada dentro do contexto do modernismo brasileiro e da história da arte mundial.

Em 2014, a obra do artista foi tema de duas exposições individuais, uma na Galeria Estação e outra na Bergamin & Gomide, ambas em São Paulo, organizadas pelos artistas Alexandre da Cunha e Rivane Neuenschwander – atestando a relevância continuada de Lorenzato. Também londrina, a galeria David Zwirner promoveu recentemente uma exposição individual de Lorenzato, estreia de seu trabalho fora do Brasil e no Reino Unido.

Compartilhar: