Elephant Parade Rio 2018

O amanhecer de 1º de novembro promete surpreender e presentear os cariocas: é quando a manada da Elephant Parade estará nas ruas! São 66 esculturas no tamanho real de um elefante bebê espalhadas por cartões postais e endereços de grande visibilidade da cidade, transformando o ambiente urbano em uma enorme galeria de arte a céu aberto. Jardim Botânico, Copacabana, Ipanema, Centro, Barra da Tijuca, Lapa, Leblon, Urca e Lagoa “hospedam” as obras de Ziraldo, Susi Cantarino, Robnei Bonifácio, Luca Ewbank, Dominique Jardy, Beto Gatti, Levi Cintra, Sanagê, Babi Wrobel, Ana Luiza Tepedino, entre outros artistas, até 29 de novembro. Depois, os elefantes seguem para Hotel Belmond Copacabana Palace, onde as esculturas serão leiloadas no dia 6 de dezembro, em prol de entidades carentes do Rio de Janeiro, projetos de preservação dos elefantes e artistas participantes. O shopping oficial é o BarraShopping e os patrocinadores oficiais são Rei do Mate, Suvinil e Amarula.

A edição carioca do evento chega com muitas novidades! As criações mais recentes assinadas pelo cartunista Ziraldo estão presentes em três esculturas que reproduziram o traço do mestre pelas mãos do artista Levi Cintra e patrocinados pelo Rei do Mate. Além disso, esta é a primeira vez que o evento conta com a participação de crianças, alunos do artista Robnei Bonifácio. Robinei dá aulas de desenho para crianças de baixa renda no projeto “Aula de Boa”, no bairro de Boa Esperança, em Nova Iguaçu. Eles ajudaram a idealizar e confeccionar o elefante batizado “De-Boa”, que teve patrocínio do Grupo Petra Gold.

O evento foi criado em 2006, depois que Marc e Mike Spits, pai e filho em férias pela Tailândia, “conheceram” uma bebê elefanta chamada Mosha, que havia perdido sua perna depois de pisar numa mina terrestre. Desde então, decidiram realizar um evento rentável, a longo  prazo, para garantir um futuro sustentável à Mosha, que se tornou mascote do evento. A primeira exposição aconteceu em 2007, em Roterdã, na Holanda. Amigos do Asian Elephant Hospital, a “casa” da Mosha em Lampang, foi das primeiras organizações a receber contribuições geradas pelo evento e até hoje continua tendo suporte financeiro. Em sua 27ª edição, a EP já percorreu importantes centros urbanos, como Londres, Hong  Kong, Amsterdã, Milão e São Paulo. Em todos eles, ao final de cada exposição os elefantes são leiloados e parte da quantia arrecadada é destinada a projetos de preservação dos elefantes, a instituições locais e aos artistas participantes.

“A Elephant Parade é hoje a exposição de arte ao ar livre mais relevante e impactante no mundo – estima-se que 100 milhões de pessoas já visitaram as exposições da Elephant Parade. Cada evento movimenta boa parte da classe artística local, prestigiando desde artistas iniciantes a nomes reconhecidos internacionalmente, gerando uma troca cultural bastante enriquecedora e ajudando a despertar novos talentos”, afirma Giovane Pasa, sócio-diretor da Elephant Parade Brasil.

Compartilhar: