Diálogos no Museu: Relações entre arte, patrimônio e cidade | Museu da Cidade de São Paulo

Por ocasião da realização das instalações Monumento Nenhum e Chacina da Luz, de Giselle Beiguelman, no Beco do Pinto e no Solar da Marquesa de Santos, o Museu da Cidade de São Paulo apresenta o debate Relações entre arte, patrimônio e cidade, na programação do ciclo Diálogos do Museu. Com a participação dos críticos convidados da exposição, Agnaldo Farias e Renato Cymbalista, e moderação do Diretor do Museu, Marcos Cartum, o encontro expande as questões colocadas pelas instalações, discutindo as estéticas e estratégias da arte no espaço público e suas redes de diálogo e tensão com as políticas públicas de memória.

Diálogos do Museu: Relações entre arte, patrimônio e cidade acontece no dia 25 de maio, sábado, no Solar da Marquesa de Santos. O debate entre Agnaldo Farias, Renato Cymbalista e Marcos Cartum será precedido de visita às instalações Monumento Nenhum e Chacina da Luz comentada por Giselle Beiguelman.

 

Programação:

9h: Credenciamento

10h: Visita à exposição comentada pela Giselle Beiguelman

10h30 às 12h30: Debate com Agnaldo Farias e Renato Cymbalista

Mediação: Marcos Cartum

 

Evento gratuito com Certificado de Participação

Credenciamento por ordem de chegada.

Sujeito à lotação

 

Sobre os participantes:

Agnaldo Farias

Crítico de Arte, curador e professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – FAU/USP. Foi curador da Representação Brasileira da 25ª Bienal de São Paulo em 2002, curador geral do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro no período de 1998-2000 e curador-adjunto da 23ª Bienal de São Paulo. Ao lado do curador Moacir dos Anjos, assina a curadoria geral da 29° Bienal de São Paulo, em 2010, e da representação brasileira da 54ª Bienal de Veneza, em 2011. É autor dos livros As Naturezas do Artifício – Amélia Toledo (Editora W11, 2004); Daniel Senise – The piano factory (Andréa Jacobsen, 2003); Arte brasileira hoje (Publifolha, 2002), entre outros.

Renato Cymbalista

Mestre e doutor pela FAU-USP, com pós-doutorado em História pela UNICAMP. Foi professor convidado nas universidades Técnica de Brandemburgo; Paris-Diderot; Parsons – the New School of Design. Foi editor adjunto da Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais. Presidente do Instituto Pólis (desde 2012), integra o Conselho Administrativo da Casa do Povo (desde 2014) Associado do Instituto Goehte (desde 2016). Membro do Laboratório para Outros Urbanismos (FAU-USP) é coordenador do grupo de pesquisa “Lugares de Memória e Consciência” (CNPq-FAUUSP).

Marcos Cartum

Arquiteto formado pela FAUUSP, é autor de obras como o Monumento ao Migrante Nordestino, a Praça Memorial 17 de Julho e a Praça das Artes. Essa última obra, realizada para a Secretaria Municipal de Cultura, ocupa um espaço consolidado no centro histórico de São Paulo, entre o Vale do Anhangabaú, a Rua Conselheiro Crispiniano e a Avenida São João, realizando uma importante costura urbana e de integração com o patrimônio cultural da cidade. É Diretor do Museu da Cidade de São Paulo.

Giselle Beiguelman

É artista e Professora da FAU-USP. Entre seus projetos recentes destacam-se Odiolândia (2017) e Memória da amnésia (2015/2016). Suas pesquisas abordam a cultura urbana contemporânea e as estéticas da memória no século 21. É membro do Laboratório para OUTROS Urbanismos (FAU-USP) e do InterdisciplinaryLaboratoryImageKnowledge– Humboldt-Universität zu Berlin. É colunista da Rádio USP e da Revista Zum. Autora de Memória da Amnésia: políticas do esquecimento (Edições Sesc, no prelo), entre outros.

 

Mais informações: http://www.monumentonenhum.art.br

Compartilhar: