Conceição Evaristo | Sala Carlos Couto

A exposição “Eu-Mulher” abre a programação de 2018 da Sala Carlos Couto com uma grande homenagem ao mês mulher. A escritora Conceição Evaristo – responsável pela mostra – estará presente na ocasião.

Com curadoria de Teca Nicolau, a exposição é composta de fotografias, vídeos, livros da homenageada e de outras autoras negras, que fazem parte da vida de Conceição, como Geni Guimarães e Carolina Maria.

No papel, preto no branco, a voz de Conceição Evaristo – que venceu todas as adversidades da vida e hoje é reconhecida como um dos nomes mais relevantes e necessários da literatura brasileira contemporânea – carrega e propaga os sentimentos, as dores, as alegrias, os gritos e os sussurros de uma multidão de pessoas – de homens e, sobretudo, mulheres cujas vozes são insistentemente caladas. Com base no que chama de “escrevivência” – ou a escrita que nasce do cotidiano, das lembranças, da experiência de vida da própria autora e do seu povo –, ela compõe romances, contos e poemas que revelam a condição do afrodescendente no Brasil.

Embora escreva desde a juventude, Conceição só começou a publicar seus textos aos 44 anos – em 1990, nos Cadernos Negros, série de antologias editada pelo coletivo Quilombhoje.

Compartilhar: