Celina Portella | Zip’Up | Zipper Galeria

Pensar a imagem nos limites de sua materialidade e como um instrumento de mediação do real tem sido um dos temas centrais no trabalho de Celina Portella. Utilizando o próprio corpo como objeto de experimentações no espaço, a artista combina práticas quase artesanais em vídeos, fotografias ou foto-objetos que desafiam características de cada suporte e a percepção por parte do observador.

Na produção mais recente que compõe sua individual no projeto Zip’Up, Celina apresenta um conjunto de trabalhos nos quais mistura também processos pictóricos sobre as fotografias. Nas séries exibidas em Subtrações, uma densa camada de tinta negra parece invadir as imagens, interferindo em sua representação. Em “Fotonovela da Opressão”, por exemplo, a artista cria uma sequência de fotos nas quais sua imagem vai aos poucos sendo eliminada por uma mancha que invade os quadros cada vez em uma proporção maior. Já na obra “Em Contraste”, ela se retrata interagindo com a pintura negra que se estende pela parede, como em um embate entre sua própria representação e um apagamento quase inevitável.

O desenho de estruturas geométricas básicas como círculos, quadrados e triângulos também são recorrentes nesses trabalhos, como na série em que a artista é vista dentro de uma esfera ou ao redor de outros objetos eliminados da fotografia posteriormente pela camada pictórica. De forte caráter formal, as imagens dialogam com uma produção experimental na fotografia e processos pioneiros dos movimentos suprematistas e dadaísta do início do século 20.

Com curadoria de Nathalia Lavigne, “Subtrações” fica em cartaz de 20 de setembro a 20 de outubro.

Idealizado em 2011, um ano após a criação da Zipper Galeria, o programa Zip’Up é um projeto experimental voltado para receber novos artistas, nomes emergentes ainda não representados por galerias paulistanas. O objetivo é manter a abertura a variadas investigações e abordagens, além de possibilitar a troca de experiência entre artistas, curadores independentes e o público, dando visibilidade a talentos em iminência ou amadurecimento. Em um processo permanente, a Zipper recebe, seleciona, orienta e sedia projetos expositivos, que, ao longo dos últimos seis anos, somam mais de quarenta exposições e cerca de 60 artistas e 20 curadores que ocuparam a sala superior da galeria.

Compartilhar: