Calder e a Arte Brasileira | Itaú Cultural

© Foto cortesia: Calder Foundation, New York / Art Resource, New York © 2016 Calder Foundation, New York / AUTVIS, Brasil

A leveza, movimento e colorido da obra de Alexandre Calder (1898-1976) inunda os três andares do espaço expositivo do Itaú Cultural a partir do dia 31 de agosto. Com curadoria de Luiz Camillo Osorio, e em parceria com Expomus e a Fundação Calder, conduzida pelo neto do artista em Nova York, a mostra Calder e a Arte Brasileira permanece aberta ao público de 1 de setembro a 23 de outubro, com aproximadamente 60 peças.

Ela apresenta móbiles do artista norte-americano, além de alguns de seus guaches, maquetes, desenhos e óleos sobre tela, em diálogo com trabalhos de brasileiros que, nos anos 40 e 50, também embarcaram no caminho da arte cinética influenciando gerações até hoje. São eles: Abraham Palatnik, Lygia Clark, Hélio Oiticica, Willys de Castro, Judith Lauand, Lygia Pape, Waltercio Caldas, Antonio Manuel, Luiz Sacilotto, e, mais recentemente, Ernesto Neto, Franklin Cassaro, Carlos Belvilacqua, Cao Guimarães e Rivane Neuenschwander.

Compartilhar: