Antonio Poteiro | Centro Cultural dos Correios São Paulo

© Divulgação

O Centro Cultural Correios São Paulo (CCCSP) apresenta a exposição inédita Poteiro Por Inteiro, com curadoria de Enock Sacramento. A mostra apresenta pinturas e esculturas nunca exibidas ao público do artista Antonio Poteiro, produzidas entre 1960 e 2010, ano de seu falecimento. Na abertura da exposiçãohaverá visita guiada com o curador. A mostra é gratuita e tem patrocínio dos Correios e do Governo Federal.

A mostra é composta por 5 esculturas e 30 pinturas de Antonio Poteiro. O artista, que completaria 101 anos em 2016, é um dos artistas brasileiros de maior repercussão dentro e fora do país, notadamente no domínio da arte naïf, popular, ingênua, ínsita, na qual se firmou, em seus últimos anos de vida, como o número 1 no Brasil.

Poteiro era um verdadeiro artista, ou seja, um criador. Inventava personagens e narrativas. Criou figuras tais como a Rainha das Tartarugas e o Rei do Pão. Para Ferreira Gullar, “tudo na obra de Antonio Poteiro tem um sentido ligado à história do povo, suas aflições e seus sonhos de felicidade”.

A exposição “Poteiro por Inteiro” visa resgatar e levar ao público uma síntese do universo pictórico e escultórico do artista. Para o curador da mostra, Enock Sacramento, “a pintura que Antônio Poteiro nos legou é de uma inventividade extraordinária, difícil de encontrar na plástica brasileira. Sobre um fundo chapado, ele geralmente dispõe árvores, flores, animais, figuras humanas, isoladas ou em grupos. Há uma orquestração de azuis, amarelos, vermelhos, verdes e de outras cores que, combinadas, definem o universo pictórico poteiriano. Suas esculturas cerâmicas são de uma riqueza formal e volumétrica encantadoras. Sua arte agrada a leigos e eruditos”.

Sobre o artista:

Antônio Batista de Souza, conhecido como Antônio Poteiro, foi ceramista e pintor. Nasceu em 10 de outubro de 1925, na Aldeia de Santa Cristina da Pousa, em Portugal. Participou duas vezes da Bienal Internacional de São Paulo (1981 e 1991), da Biennalle Internazionale NAÏF, Cittá di Como, Itália (1976) e da V Bienalle Internazionale NAÏFS, entre Fiera e Lombardia, Itália (1980), da III Bienal de Havana, Cuba (1989), da III Bienal de Artes de Goiás (1993) e da Bienal Naïfs do Brasil, SESC Piracicaba (1994). Recebeu numerosos prêmios entre eles o de Melhor Escultor Nacional, da Associação Paulista de Críticos de Arte – APCA, em 1985. Em 1997 foi destacado com a Comenda da Ordem do Mérito Cultural, do Ministério da Cultura, Brasil. Faleceu no dia 8 de junho de 2010 na cidade de Goiânia, capital do Estado de Goiás.

Compartilhar: