Antoni Gaudi | MAM Rio

O Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Instituto Tomie Ohtake, Arteris, Bradesco e Ministério da Cultura apresentam a exposição “Gaudí Barcelona 1900”, que reúne 46 maquetes, três delas em escala monumental, e 25 peças de design, entre objetos e mobiliário, criados pelo genial arquiteto catalão, conhecido mundialmente por seu estilo único. Completam a mostra cerca de 40 trabalhos de outros artistas e artesãos que compunham a cena avançada de Barcelona da época.
Todas as peças pertencem aos acervos do Museu Nacional de Arte da Catalunha, Museu do Templo Expiatório da Sagrada Família e da Fundação Catalunya-La Pedrera, em Barcelona, que apoiaram a exposição. A idealização e realização do projeto foram do Instituto Tomie Ohtake, com coordenação geral da Chizhi – Organización Proyecto Cultural Internacional. O patrocínio é da Arteris e Bradesco, com Lei Federal de Incentivo à Cultura (MinC). A exposição esteve em cartaz no o Instituto Tomie Ohtake e no MASC, em Florianópolis.
Raimon Ramis e Pepe Serra Villalba, especialistas em Gaudí e curadores da exposição, escolheram maquetes e detalhes arquitetônicos da Sagrada Família bem como do Parque Güell, de modo a que público acompanhe os processos construtivos dos projetos de Gaudí. A incursão de Gaudí pelo design, na criação de móveis e objetos que vão de maçanetas de metal a peças em cerâmica e madeira, mostram como a criação artesanal influenciou a indústria. O conjunto de suas obras testemunha a invenção de uma original geometria, calculada a partir da observação e estudo dos movimentos da natureza. Com este princípio racionalista protagonizado pelo orgânico, Gaudí instaura uma estética moderna única que marcou definitivamente a cidade de Barcelona. “A sua experimentação técnica e formal, sua capacidade de absorver e reelaborar as teorias estéticas e arquitetônicas,fizeram dele um arquiteto de densidade única, difícil de repetir. Em suas obras está condensado o debate artístico da mudança de século junto à depuração de uma linguagem arquitetônica única”, ressaltam os curadores.

Compartilhar: